você não está vendendo o suficiente porque você não está aparecendo o suficiente.

em 2020 o planeta alcançou a marca de 7.8 bilhões de pessoas. Não importa o quão corriqueira é a sua oferta, sério. Você vai encontrar um número suficiente de clientes para ter um negócio lucrativo bem aqui no nosso planeta.

e você está em vantagem, man@. Você pode se comunicar com 57% dessas pessoas, sem sair de casa, pela internet.

pensa só como era bem mais difícil em 1848, época que nasceu lá em Paris um personagem extremamente importante para o mundo da arte, mas que pouca pessoas conhecem a história.

Gustave Caillebotte.

o cara era bom no que fazia viu. Tanto que recentemente uma das suas pinturas foi vendida por 14 milhões de dólares... mas acredite se quiser, a importância dele não está em suas obras.

os críticos da época não curtiam muito o trabalho dele, sabe? Falavam que ele ainda era muito cru... que não tinha o requinte dos seus contemporâneos.

bom... seus amigos pintores não eram pouca coisa de fato. Estamos falando de Monet, de Renoir, Degas... já ouviu falar dessa galera né? Todos Impressionistas Franceses idolatrados mundialmente hoje... mas que na época também não eram muito valorizados não.

na verdade o Impressionismo como arte era meio renegado naqueles tempos.

então o que aconteceu para estes artistas ganharem tanto renome mundial?

o efeito de mera exposição.

claro, não havia internet nem redes sociais naquela época... então os artistas dependiam de outro meio de distribuição... e o mais efetivo para eles até então eram os museus.

mas como os Franceses não queriam saber de Impressionistas nos seus requintados museus, então alguma coisa fora do comum deve ter acontecido para trazer renome para toda essa galera, certo?

Gustave Caillebotte. Isso mesmo, o artista que não era 'digno de grandes exposições'.

sabe, Gustave nasceu numa família abastada herdeira de um negócio de confecção para uniformes do exército. Seu pai era um juíz conceituado. Por isso ele não teve muitas preocupações financeiras durante sua vida. E por isso ele não tava muito preocupado se vendia ou não seus quadros.

então, além de experimentar diversas técnicas de pintura diferentes, ele também gostava de comprar pinturas.

e com a mesada generosa que recebia do pai, ele tinha o maior prazer em ajudar seus amigos pintores comprando suas obras para adicionar na sua crescente coleção.

e a ajuda dele não era pouca... o cara pagava até o aluguel do estúdio do Monet.

mas não foi isso que fez ele se tornar um dos salvadores do Impressionismo francês.

na verdade ele nem sabe que isso aconteceu... porque a história só foi desenrolar depois que ele morreu.

mas Gustave acreditava no movimento. Tanto que antes mesmo de completar 30 anos de idade ele escreveu um testamento solicitando que a sua coleção de 'obras-primas' fosse doada ao governo francês para que as pinturas fossem expostas nos mais importantes museus do país.

mas o governo não tava nem aí pras suas demandas e quando ele morreu em 1894, disseram 'au revoir' e não aceitaram nem uma pinturazinha sequer como doação.

um dos maiores medos de Gustave estava prestes a acontecer. Seus ossos revirando no caixão só de pensar que sua super coleção que incluía 68 obras de amigos como Monet, Renoir, Pissaro, Degas, Cézanne... ia parar num galpão empoeirado. E com elas, o futuro da arte Francesa.

então como pode o testamento de um homem sem grandes influências ter sido um dos grandes responsáveis pela ascensão do impressionismo francês?

"I give to the French State the paintings which I have; nevertheless, since I want that this donation be accepted and in such a manner that the paintings go neither in an attic nor in a province museum, but well in the Luxembourg Museum and later in the Louvre Museum, it is necessary that a certain time passes before execution of this clause until the public, I do not say understand, but admit this new painting. This time may be twenty years at the maximum. Until then, my brother Martial, and at his defect another of my heirs, will preserve them. I request Renoir to be my executor... "

Caillebotte was to die into 1894 of an attack of apoplexy. The Academists, led by Gérôme, then tried to prevent the entry in the artistic inheritance of France of Impressionist works which had been constantly refused by the Official Salon - in particular works of Cézanne which formed part of the collection -. The Institute of France initially refused the Caillebotte legacy to the French National Museums.''

Gustave tinha, literalmente, uma carta na manga. Nomeou Renoir como responsável de garantir que seu testamento fosse respeitado e, em 1896, depois de muita negociação, o governo finalmente cedeu e levou 38 obras 'duvidosas' da coleção de Gustave para o Palácio de Luxemburgo e por ali ficaram em exposição por anos.

a exposição prolongada destas obras é tida por Derek Thompson, autor do Livro HitMakers, como um fator determinante em trazer renome mundial para estes artistas impressionistas.

Derek chama isso de 'efeito de mera exposição'.

a real é que outros artistas, como o próprio Caillebotte, não eram necessariamente melhores ou piores que os outros nomes mais conhecidos...

mas que artistas como Monet, Renoir Pissaro e outros tiveram um empurrãozinho essencial de distribuição do seu amigo Gustave.

o Impressionismo só pegou pra valer quando a coleção de obras-primas de Gustave foi exposta para o maior número de pessoas possível através do melhor veículo de distribuição da época.

o segredo não é o seu produto ou o seu posicionamento. É a sua distribuição.

escrevi uma carta pra você contando como você pode potencializar sua distribuição hoje, em tempos de internet e alcance mundial.

dica: você não vai precisar de um patrocínio gordo e nem mesmo de amigos influentes ;)

acesse a minha carta aqui.