MEU ESCRITÓRIO É NA PRAIA, EU TÔ SEMPRE NA ÁREA, MAS EU NÃO SOU DAQUELA LÁIA, NÃO!

É nessas guinadas peculiares da vida que as boas sementes são plantadas. O garoto Alexandre de 17 anos, cansado da fumaça densa que ofuscava sua vida em São Paulo, mudou-se para Santos no ano de 1987. Foi correr atrás de seus sonhos em cima de um skate, com vista para o mar. Numa noite qualquer, num bar qualquer, viu-se em cima dos palcos pela primeira vez, substituindo o vocalista da banda que ali estava a se apresentar. E por ali ficou, até ontem, 06.03.13, quando abandonou o palco da vida aos 43 anos de idade.

"EU TENHO UMA ALMA FEITA DE SONHOS."

Alexandre Magno Abrão é dessas pessoas que diante das adversidades, decidem revirar o mundo em busca de seus sonhos. Depois de sofrer com a separação dos pais e um derrame quase mortal de sua mãe, começou a frequentar as ruas e andar de skate. Foi quando recebeu o apelido de Chorão de seus amigos, que zombavam de sua inexperiência com as rodinhas.

"PRA QUEM TEM PENSAMENTO FORTE O IMPOSSÍVEL É SÓ QUESTÃO DE OPINIÃO."

Um dia ele seria bom e ainda conquistaria o vice-campeonato paulista. Mas no meio tempo ele sabia que precisava ralar. Foi pra rua vender cartões de natal, foi auxiliar de câmera, iluminador e ia de porta em porta, entregando encomendas dos pasteizinhos de sua mãe.

"ME JULGUE DO JEITO QUE VOCÊ QUISER. A OPINIÃO É SUA, A REALIDADE É MINHA."

Foi tanto tempo na rua que desistiu dos estudos na 7ª série. Na verdade ele gostava mesmo era de escrever e cantar. A oportunidade no bar de Santos foi o estopim de sua ascensão. Ali mesmo, foi convidado a ser vocalista de uma banda por um dos integrantes que estava na platéia. Mais tarde, com a saída do baixista desta banda, Chorão encontrou Luiz Carlos Jr., um garoto de 12 anos que arrepiava no baixo e tinha o apelido de Champignon. Renato Pelado, Marcão e Thiago Castanho completaram a primeira formação da banda Charlie Brown Jr., nomeada após um encontrão de Chorão com uma barraca de água de coco que tinha o desenho do Charlie Brown.

"TEM QUE SABER CHEGAR. TEM QUE ESPERAR SUA VEZ."

Após uma fita demo do CBJR cair nos ouvidos do presidente da Virgin Records, o caminho começou a ser traçado. De lá pra cá foram dez discos gravados e mais de cinco milhões vendidos. Além disso Chorão se aventurou também pelo mundo do cinema, como escritor e roteirista, com o filme O Magnata, e empresário com o Chorão Skate Park em Santos, e sua marca de roupas lançada em 2009, DO.CE(dose certa).

"OS NOSSOS SONHOS SÃO DECORRÊNCIA DAS ESCOLHAS QUE FAZEMOS NO NOSSO CAMINHO."

Ele cantava sobre a valorização da vida, da busca pelos sonhos. Era consciente de sua transitoriedade e por isso era intenso naquilo que fazia. Desde o estouro da banda Charlie Brown Jr., suas mensagens de paz, amor, independência e liberdade tocaram a vida de diversas gerações de adolescentes. Ame ou odeie, mas todos um dia já falaram a mesma língua do moleque que conquistou o Brasil cantando de seu escritório na praia.

"VAMOS VIVER NOSSOS SONHOS TEMOS TÃO POUCO TEMPO."

Vou parar por aqui...agora é hora do Chorão falar!
http://www.youtube.com/watch?v=g82wOb3fs_0

Até a semana que vem, com notícias mais felizes em nosso post.